Paredes de Adobe


Adobe ou Adobo
(Designa-se por adobe o pequeno bloco de forma regular de argamassa de barro ordinário amassado com areia e palha, cortado em forma de tijolo e seco ao sol).

As paredes de adobe, eram construídas segundo as mesmas regras para o tijolo, com a particularidade da sua grande maioria ser apenas empregue em construções pobres, ou em locais de terreno arenoso, onde porventura o acesso a outros materiais era mais difícil. Este tipo de construção, apesar de ser um dos mais antigos, não é muito vulgar, existindo principalmente na região do Distrito de Setúbal e Algarve.

A moldagem dos blocos é feita com uma forma de madeira rudimentar, normalmente construída pelo operário no local e denominada adobeira. As espessuras das paredes neste tipo de construção rondam os 35 cm .

Como inconvenientes, tem a vulnerabilidade de ser facilmente atacado por roedores e ser fraco na estabilidade face a sismos e a esforços laterais provocados pela fluência das cargas da cobertura. Para contrariar estas fraquezas, eram em muitos casos reforçadas com a introdução de testemunhos ou gigantes. Por isso não era indicado para a construção de grandes edifícios.

O adobe só deverá ser rebocado e tratado com rebocos à base de cal apagada, ou por intermédio de uma caiação directa sobre ele com a intenção de o proteger das acções atmosféricas, principalmente da água.

Por ser facilmente degradado pela água, só podia ser executada sobre fundações de alvenaria de pedra ordinária, geralmente em xisto com cerca de 0,60 m acima do solo, a partir da qual se dava inicio à construção da parede, evitando assim as humidades ascendentes.









   
topo

© 2002 - 2017 Paulo Jones