Posteriormente, procedeu-se à montagem dos altares, trabalho este que foi elaborado com o máximo possível de precisão, de forma a possibilitar a montagem dos altares na sua posição original. De salientar que por vezes se torna um quebra-cabeças para os técnicos já que a peça ao ser desmontada para possibilitar o tratamento a quando da montagem requer várias afinações para entrar no seu local original.

Por fim, as paredes interiores e exteriores foram caiadas com cal branca de forma tradicional. As madeiras foram tratadas com produto xilófago incolor e acabado com verniz aquoso mate, e os pavimentos da nave central e sacristia foram revestidos com chapas de pedra e tijoleira rústica de Stª Catarina vermelha.

A obra foi concluída em 25 de Abril de 2006, após muito trabalho e dedicação. Mas com um excepcional sabor a um enorme desafio e missão cumprida.

 






















































 

  topo  
anterior  1|2|3  

© 2002 - 2018 Paulo Jones