A reabilitação de um aglomerado de casas velhas de uma adega no centro da vila com fim a uma habitação unifamiliar foi um enorme desafio, já que as condições técnicas de execução foram bastante diversas e complexas e de elevado rigor técnico.
A nossa primeira preocupação foi fazer uma triagem cuidada das patologias que a velha construção apresentava.
antes
Para o trabalho de demolição e desmonte nesta obra tivemos que recorrer sempre que possível a trabalho manual sem maquinaria pesada de forma a preservarmos ao máximo as paredes e arcos de pedra existentes que se apresentavam muito instáveis e frágeis.


Para a colocação de betão neste trabalho em particular tivemos que nos socorrer de várias técnicas para evitar que as estruturas existentes colapsassem. Por outro lado, toda a betonagem foi sendo feita á medida que a construção se ia erguendo de forma a ir travando e amarrando o conjunto.

Dado que se trata de um edifício antigo, as juntas das abóbadas de tijolo existentes foram limpas e betumadas com argamassa de cal.

T
odas as madeiras utilizadas foram de casquinha e pinho de primeira para colorir com velatura aquosa e acabamento a verniz mate.


O resultado final desta obra foi muito gratificante já que se traduziu num espaço muito delicado e de uma arquitectura acolhedora e sóbria.
depois


A
luz das clarabóias é, sem sombra de dúvida, a responsável pelo ambiente terno e afável.









 

  topo  
     

© 2002 - 2017 Paulo Jones